Logotipo MiudosSegurosNa.Net

Minimizar Riscos, 
Maximizar Benefícios. 

Bandeira de AngolaBandeira do BrasilBandeira de Cabo VerdeBandeira da Guiné-Bissau
Bandeira de MoçambiqueBandeira de PortugalBandeira de São Tomé e PrincípeBandeira de Timor Leste
> Definir Homepage
> Adicionar a Favoritos
> Imprimir Esta Página
> Recomendar Página
> Ligue-se a Nós!
> Artigos Para o Seu Site
> Donativos

OPINIÃO - 2018 - Fevereiro
Jovens e internet: que idade para o consentimento parental?

Por Tito de Morais, Fundador do projecto MiudosSegurosNa.Net
e Cristina Ponte, Nova FCSH, rede EU Kids Online.

Aumentar para 16 anos a idade do consentimento poderá contribuir para agravar um problema, em vez de o resolver.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), que produz efeitos a partir de 25 de maio, impede as empresas de serviços digitais de realizarem práticas de data-profiling de menores de idade, transferirem dados pessoais a entidades terceiras sem consentimento explícito prévio, e impõe o "direito ao esquecimento". Por sua vez, menores de 16 anos devem obter consentimento parental para aceder a serviços digitais, uma medida que agora se situa nos 13 anos.

Saudando os aspetos positivos desta regulamentação, discordamos do aumento de idade no contexto português onde em muitos lares têm sido os mais novos a levar as famílias para o digital e onde permanece um fosso digital entre gerações.

Capacitar crianças, adolescentes e respetivas famílias em matéria de segurança digital tem sido objetivo de projetos comparticipados pela União Europeia, como o SeguraNet, do Ministério da Educação, e o Consórcio InternetSegura, liderado pela FCT. A sua atenção às redes sociais é uma prioridade sabendo como elas são populares entre os mais novos.

O atual programa de TIC considera as redes sociais como matéria curricular no 8.º ano de escolaridade, ou seja, cobrindo os 13/14 anos. Dado que os usos da internet começam antes e nem sempre são devidamente acompanhados no ambiente familiar, temas como o da utilização ética, responsável e segura das TIC, onde se inclui a segurança online e a proteção da privacidade, deveriam passar a integrar o curriculum escolar mais cedo.

Em 2014, o estudo Net Children Go Mobile, que incidiu sobre os 9-16 anos, indicou que 80% das crianças portuguesas de 11-12 anos referiam ter um perfil numa rede social: já então era elevada a taxa de falsa informação sobre a idade - com ou sem consentimento parental - para criar uma conta. O estudo revelou também competências e cuidados no manejo de contatos: cerca de três quartos declarou aceitar apenas pedidos de contato por parte de pessoas que conhecia, sendo esse valor o mais elevado entre os sete países do estudo. A promoção precoce de literacias digitais faz o seu caminho.

Aumentar para 16 anos de idade o requisito do consentimento parental para recolher e tratar dados pessoais pode resultar em mais jovens a dar informação falsa sobre a idade, contornando possíveis resistências parentais e uma cultura de protecionismo. Essa ilusão etária impede os operadores de adequarem medidas e ferramentas de segurança e proteção da privacidade à idade real dos utilizadores mais novos. Resumindo, em vez de se colocar o foco na informação, na educação, em serviços e ferramentas que possam contribuir para proteger crianças e jovens dos potenciais riscos a que podem estar expostos online, adotar os 16 anos como idade do consentimento poderá contribuir para agravar um problema, em vez de o resolver.

Crescendo em tempos digitais, há direitos das crianças também a considerar a essa luz, como sublinha a UNICEF: o direito a ser ouvido em matérias que lhe dizem respeito; o direito a liberdade de expressão, pensamento e consciência; o direito a ter informação adequada à sua idade; o direito ao lazer e atividades recreativas e culturais, entre outros.

O tema da idade para o consentimento parental à luz do Artigo 8.º do RGPD será discutido nas próximas semanas no Parlamento português. Esperamos que, à semelhança da Dinamarca, Espanha, Irlanda, Letónia, Polónia, Reino Unido, República Checa e Suécia, Portugal tire partido da latitude consignada no Artigo 8.º do RGPD, optando pelo requisito do consentimento parental aos 13 e não aos 16 anos de idade.

Com essa decisão por parte das autoridades portuguesas e reforçando a sua literacia digital comercial, adolescentes de 13 ou mais anos de idade poderão usufruir da proteção dos seus dados pessoais e da sua privacidade, continuando a usufruir das oportunidades e dos benefícios proporcionados pelas TIC no domínio do acesso à informação, comunicação, comércio, educação, formação e desenvolvimento pessoais, lazer e entretenimento, expressão da sua criatividade e afirmação de uma cidadania ativa e participativa.

A inclusão digital de nove em cada dez cidadãos portugueses é uma das metas apontadas pelo Roteiro Inovação para 2030. Essa meta necessita mais de políticas que favorecem competências digitais do que da criação de barreiras e obstáculos artificiais.

Logotipo do jornal Público
Publicado originalmente no jornal Público, de 21 de Fevereiro de 2018.

Este artigo está aberto à adesão pública. Se deseja subscrever os pontos de vista expressos neste artigo de opinião e tornar-se um dos seus signatários, use o formulário de comentários abaixo, deixando-nos os seguintes dados: Nome, Cargo e/ou Profissão, e Organização (caso aplicável). O formulário é moderado, pelo que a sua adesão não aparecerá de imediato, mas apenas após aprovação, o que poderá levar até um máximo de 72 horas.

Subscrevem a opinião expressa neste artigo:
Adelina Moura, Docente do ensino básico e secundário, Escola Secundária Carlos Amarante
Ana Nunes de Almeida, socióloga, investigadora, Instituto de Ciências Sociais, Univ. de Lisboa
Ana Paula P. M. Afonso, Professora-adjunta, Politécnico do Porto - Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP)
António Boa-Nova, Bancário & Deputado Municipal, Instituição Financeira de Crédito & Assembleia Municipal da CM Odivelas
António Augusto de Freitas Gonçalves Moreira, Diretor do Programa Doutoral em Multimédia em Educação / Professor, Universidade de Aveiro
António Luís Valente, Professor, Centro de Competência em TIC do Instituto de Educação, Universidade do Minho
Carlos Alberto de Sousa Gomes, Professor (em mobilidade estatutária como presidente da APEVT - Associação de Professores de Educação Visual e Tecnológica)
Carlos Pinheiro, Professor, Escola Secundária Leal da Câmara
Catarina Tomás, Professora do Instituto Politécnico de Lisboa
Cátia Branquinho, Psicóloga/investigadora, Faculdade de Motricidade Humana/ Projeto Aventura Social
Célia Quico, Professora Auxiliar, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Clara Castilho, Psicóloga, Centro Doutor João dos Santos - Casa da Praia
Cláudia Machado, Investigadora Coordenadora do Projeto BeSafe
Cláudia Maria Rosa da Fonseca Manata do Outeiro, Professora 3º Ciclo e Secundário, Ministério da Educação e Ciência / Instituto de Apoio à Criança
Cristiane Parente, Jornalista e Pesquisadora do Centro de Estudos de Comunicação Sociedade - UMinho
Daniel Sampaio, Professor Catedrático Jubilado de Psiquiatria, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
Eduarda Ferreira, Psicóloga educacional e investigadora, Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama e CICS.NOVA
Eduardo Vera-Cruz Pinto, Professor Catedrático, Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa
Etelberto Costa, Engenheiro/consultor, Futurália
Fernanda Ledesma, Professora de Informática, Presidente da Direção da Associação nacional de Professores de Informática
Fernando Baldini Simões, Sales & Marketing
Helena Fonseca, Pediatra especializada em Medicina do Adolescente, Professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Coordenadora da Unidade de Medicina do Adolescente do Departamento de Pediatria, Hospital de Santa Maria (HSM) HSM-CHLN
Hugo Cunha Lança, Professor Adjunto, IPBeja
Humberto Neves, Founder & Developer, Ardozia
Inês Amaral, Professora Auxiliar e Investigadora, Instituto Superior Miguel Torga e Centro Estudos de Comunicação
Isabel Bernardo, Professora, Associação de Professores de Filosofia
Joana Alves dos Santos, Co-coordenadora, RadioActive 101 Portugal
João Amado, (Prof.Universidade de Coimbra, Aposentado)
João Baracho, Diretor Executivo / Gestor, CDI Portugal / Apps For Good
João Canavilhas, Vice-reitor para o Ensino, Internacionalização e Saídas Profissionais, Universidade da Beira Interior
João Paulo da Silva Proença, Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares
João Piedade, Professor de Informática, Professor no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
Jorge Maciel, Conselho de Administração, Fomento - Cooperativa de Centros de Ensino
José Afonso Furtado, reformado, docente universitário e autor, antigo Director da Biblioteca de Arte da Fundação Calouste de Gulbenkian (1992 - final de 2011)
José Alberto Rodrigues, Professor, ATE - Associação dos Trabalhadores da Educação
José Gonçalves, Conselho Executivo, CONFAP
José Legatheaux Martins, Professor NOVA FCT, Internet Society - Portugal Chapter
José Manuel Figueiredo Santos, Professor Coordenador, ESGHT - Universidade do Algarve
José Morgado, Docente Universitário, Departamento de Psicologia da Educação do ISPA - Instituto Universitário
Lidia Marôpo, Professora adjunta - Instituto Politécnico de Setúbal, Investigadora - Centro Interdiscisciplinar de Ciências Socias (CICS.NOVA)
Lino Oliveira, Professor Adjunto, Politécnico do Porto / Escola Superior de Media Artes e Design
Luis Borges Gouveia, Professor Catedrático, Universidade Fernando Pessoa
Luís Fernando de Pinho Fernandes, Psicólogo, Associação Sementes de Vida
Luís Neto Galvão, Sócio, Advogado, SRS Advogados
Luís Pereira, Senior Lecturer, Coventry University - UK
Luisa Agante, Professora Auxiliar Convidada, Faculdade de Economia do Porto
Luisa Lopes Gueifão, Presidente Conselho Diretivo, DNS.PT
Manuel Pinto, Professor da Universidade do Minho
Manuel Tito Morais Oliveira, Gerente/Engenheiro, Megaqualidade
Manuel Torres da Silva, reformado
Márcia Batista, Socióloga, Cdi Portugal
Marco Cerruti, Partner Service Delivery Manager EMEA, Microsoft Portugal
Margarida Garcia dos Santos, Conselho de Administração, Fomento- Cooperativa de Centros de Ensino
Margarida Gaspar de Matos, Psicóloga/ Professora Catedrática, FMH/ ULisboa
Margarida Toscano, Coordenadora interconcelhia RBE, Rede de Bibliotecas Escolares
Margarida Videira, Coordenadora da Medida IV - Inclusão Digital, Programa Escolhas
Maria João Malho, professora
Maria José Brites, professora auxiliar, Universidade Lusófona do Porto
Maria José Loureiro, Professora requisitada, ccTICua
Marisa Torres da Silva, Professora auxiliar, NOVA FCSH
Marlene Matos, Professora Auxiliar/investigadora/Psicóloga, Universidade do Minho
Marlene Schüssler D'Aroz, Coordenadora Pedagógica - Pedagoga/Docente, Passos da Criança - Curitiba - Brasil
Natacha Torres da Silva, Psicóloga Clínica e da Saúde, Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.
Nelson Zagalo, Professor Universitário
Pascoal Moleiro, Assistente Graduado de Pediatria, Centro Hospitalar de Leiria, Presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina do Adolescente (SPMA) e da Confederación de Adolescencia y Juventud Iberoamérica, Italia y Caribe (CODAJIC)
Patrícia Pinto, Educadora Social, IPSS
Paulo Caldeira, Fundador da VianaTech - Aceleradora Tecnológica e Incubadora Criativa
Paulo Dias, Encarregado de educação
Paulo Faria, Coordenador Interconcelhio da Rede de Bibliotecas Escolares, RBE
Paulo Sampaio Neves, Advogado, FCB Sociedade de Advogados
Pedro Gonçalves, Consultor, PT Portugal/ ICT Coalition for Children Online
Raquel Raimundo, Psicóloga
Rita Espanha, Professora e Investigadora, ISCTE-IUL
Rui António da Cruz Martins, Presidente da Direcção, Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE)
Rui Lourenço, Director da Popular Jump, Popular Jump
Rute Couto, Docente, Escola Superior de Comunicação, Administração e Turismo do Instituto Politécnico de Bragança (ESACT-IPB)
Sara Pereira, Professora da Universidade do Minho
Sérgio Lagoa, Professor, Associação de Professores de Filosofia
Silvana Resende, Projeto MiudosSegurosNa.Net
Sofia Rasgado Monteiro, Socióloga
Sónia Seixas, Psicóloga Educacional e Professora Adjunta na ESE de Santarém
Susana Batista, Investigadora Pós-Doc, CICS.NOVA
Teresa Sofia N. Pombo Pereira, Professora requisitada, Plano Nacional de Leitura 2027
Teresa Sofia Pereira Dias de Castro, Bolseira FCT, FCSH - Universidade Nova de Lisboa
Vânia Maria Beliz Ferreira, Psicóloga


| Início | Recursos | Sobre | Mapa do Site |
                                                                                 © 2003-2018, Tito de Morais. Todos os Direitos Reservados.