Logotipo MiudosSegurosNa.Net

Minimizar Riscos, 
Maximizar Benefícios. 

Bandeira de AngolaBandeira do BrasilBandeira de Cabo VerdeBandeira da Guiné-Bissau
Bandeira de MoçambiqueBandeira de PortugalBandeira de São Tomé e PrincípeBandeira de Timor Leste
Subscreva a Newsletter
[MiudosSegurosNa.Net]

> Definir Homepage
> Adicionar a Favoritos
> Imprimir Esta Página
> Recomendar Página
> Ligue-se a Nós!
> Artigos Para o Seu Site
> Donativos

ARTIGOS DE OPINIÃO - 2007 - SETEMBRO
A Tecnologia, Por Si Só, Não é Solução
Por Tito de Morais

Nos tempos que correm, em que o tempo é algo de que poucas pessoas dispõem em abundância, muitos pais procuram uma solução milagrosa para a segurança online de crianças e jovens. Pensando que esta é uma questão tecnológica, acreditam que a tecnologia é a solução.

No entanto, notícias recentes de alguma forma confirmam o que há muito venho a dizer. A tecnologia pode ajudar, mas só por si, de pouco adianta. Uma vez que os pedidos de informação sobre programas e software para bloquear, impedir ou proibir o acesso a sites com conteúdos impróprios para crianças e jovens são o tipo de mensagens que recebo com mais frequência, este assunto assume a maior relevância.

A Cruzada Australiana
Segundo o Australian IT, no passado dia 9 de Agosto o Primeiro-Ministro Australiano, John Howard, anunciou que o governo australiano iria gastar 189 milhões de dólares a "limpar a Internet" para as famílias australianas, bloqueando pornografia, aumentando a procura por predadores sexuais em salas de conversação e eliminando os sites de terror. Para tal, o Governo destinou 84.4 milhões de dólares para o National Filter Scheme, ao abrigo do qual todas as famílias australianas serão apetrechadas gratuitamente com software de filtragem de conteúdos acessível via download ou solicitando o envio por correio. O Governo oferece ainda a opção de filtragem ao nível do operador de serviços de acesso à Internet. Para isso o Governo Australiano formará uma parceria sem precedentes com os fornecedores de serviços Internet para filtrar a pornografia na fonte. Por outro lado, as autoridades federais serão imediatamente dotadas de recursos financeiros acrescidos para aumentar as verificações em salas de conversação para detectar predadores de crianças, as leis no domínio da privacidade que servem de escudo aos criminosos sexuais na Internet serão alteradas e o financiamento inclui ainda a criação de uma linha de suporte técnico à instalação dos filtros e programas educacionais.

Adolescente Com Tempo Livre
Dezassete dias depois do anúncio de John Howard, o Herald Sun noticiava que Tom Wood, um jovem estudante de 16 anos de idade, tinha demorado 30 minutos a ultrapassar o filtro disponibilizado pelo Governo Australiano. Tom, um estudante do 10 ano de uma escola privada do sudeste de Melbourne, mostrou ao Herald Sun como desactivar o filtro com um punhado de cliques. Segundo o Herald Sun, a técnica do jovem engana facilmente os pais, já que o ícone do programa continua a aparecer na barra de tarefas, criando a ilusão que o filtro continuar a funcionar. Em resposta aos pedidos de informação do Herald Sun, o Governo australiano acrescentou um novo software que passou a disponibilizar gratuitamente, desta feita, um software produzido na Austrália. O jovem Tom, demorou 40 minutos a "cracar" este novo programa. O contrato do Governo Australiano prevê o fornecimento de actualizações por parte dos fornecedores, sendo que estes estão a investigar o assunto prioritariamente.

Leituras
As leituras deste incidente são diversas. Segundo noticia o Herald Sun, a Ministra das Comunicações Helen Coonan afirmou que "infelizmente, não há uma medida única que possa proteger as crianças dos riscos online e as aptidões parentais tradicionais nunca foram tão importantes". No entanto, o Senador Steve Fielding, afirma que este episódio mostra a necessidade de filtragem obrigatória por parte dos operadores de serviços Internet, afirmando ser necessário que a filtragem se verifique a dois níveis (ao nível do operador de serviços Internet e ao nível do computador), acrescentando que o Governo não deu ouvidos ao bom senso e em resultado disso deixa as crianças expostas. Segundo o Herald Sun, os filtros são concebidos para bloquear o acesso a sites que figuram numa lista negra nacional, bloquear o acesso a salas de conversação e podem ser customizados pelos pais para bloquear o acesso a outros sites. Por outro lado, o jovem Tom Wood revela uma grande maturidade ao afirmar que os filtros não tratam dos principais problemas. "O cyberbullying e a educar as crianças a protegerem-se a si próprias e à sua privacidade seriam os primeiros problemas que eu trataria", afirmou o jovem, acrescentando que "é necessário desenvolver um fórum que envolva os jovens na discussão de alguns destes problemas e de ideias sobre como tratar estes assuntos".

iPhone
Neste mês de Agosto, também foi notícia o facto do jovem George Hotz ter descoberto uma forma de desbloquear o iPhone. O iPhone é um telemóvel inovador produzido pela Apple e que está bloqueado para funcionar na rede da AT&T. Ao fim de 500 horas de trabalho, o jovem de 17 anos, conseguiu desbloquear o aparelho e usá-lo na rede da T-Mobile e colocou as instruções passo-a-passo sobre como o fazer no seu blogue, juntamente com um vídeo ilustrativo no YouTube. No espaço de 24 horas, o seu vídeo já tinha sido visto por 130.000 pessoas. No entanto, o processo é complexo que exige pelo menos duas horas e envolve programação e soldadura. O jovem conseguiu ainda trocar o telemóvel desbloqueado por um automóvel.

Estes dois exemplos demonstram que um jovem adolescente, com conhecimentos técnicos, tempo e motivação, consegue "dar a volta" ao melhor software de filtragem. E aqueles que não têm tantos conhecimentos técnicos podem usufruir do conhecimento de terceiros que geralmente disponibilizam na Internet informações sobre como o fazer. Daí que considere que uma estratégia da segurança online de crianças e jovens baseada exclusivamente numa solução tecnológica estará quase sempre fadada ao fracasso. Daí que, nas acções de sensibilização e formação em que participo como orador ou formador, geralmente costumo recorrer a uma analogia que me é querida. A minha sugestão é que as pessoas pensem na segurança de crianças e jovens como uma cadeira. Que deve ter quatro pernas. Se tiver três, é um banco. Dá para nos sentarmos, mas quanto mais jovem a criança, menos segura se torna. Com menos de três pernas dificilmente se aguenta de pé. Na segurança online de crianças e jovens, esses quatro pilares equivalem à adopção de quatro tipo de abordagens: tecnológicas, parentais, educacionais e legais. Sempre que nos confrontarmos com um problema de segurança na Internet relacionado com crianças e jovens, devemos pensar: o que posso fazer a nível tecnológico? E a nível parental? E a nível educacional? E a nível legal? Na conjugação destas quatro abordagens, estará sempre uma resposta mais eficaz do que apenas numa delas.



Artigos Anteriores:
> Onde Denunciar Conteúdos Ilegais na Internet
> Software de Segurança Para Crianças
> "E Quando Não Estou em Casa?" - Parte II
> "E Quando Não Estou em Casa?" - Parte I
> Os Média e a Segurança de Crianças e Jovens na Internet

Rotulado com ICRA - Internet Content Rationg Association
| Início | Recursos | Sobre | Mapa do Site |
                                                 © 2003-2007, Tito de Morais. Todos os Direitos Reservados.