Logotipo MiudosSegurosNa.Net

Minimizar Riscos, 
Maximizar Benefícios. 

Bandeira de AngolaBandeira do BrasilBandeira de Cabo VerdeBandeira da Guiné-Bissau
Bandeira de MoçambiqueBandeira de PortugalBandeira de São Tomé e PrincípeBandeira de Timor Leste
Subscreva a Newsletter
[MiudosSegurosNa.Net]

> Definir Homepage
> Adicionar a Favoritos
> Imprimir Esta Página
> Recomendar Página
> Ligue-se a Nós!
> Artigos Para o Seu Site
> Donativos

ARTIGOS DE OPINIÃO - 2006 - JANEIRO
As TIC Nas Escolas
Por Tito de Morais

Ao nível da utilização das TIC em ambiente escolar, o final de 2005 foi marcado por notícias promissoras. A primeira, trata-se de uma notícia que ao longo dos dois últimos anos tem sido refrescado periodicamente. Mas a segunda, parece-me promissora. No papel. Falta ver na prática.

Já me cansei de ler que até não sei quando o Governo, este o anterior ou o que se lhe seguir, vai ligar não sei quantas escolas à Internet! Esta é uma notícia já tem bolor! A última que li referia que em Janeiro deste ano a banda larga ia chegar a 100% das escolas portuguesas.

Banda Larga Nas Escolas
De facto, em meados de 2003, com o lançamento da Iniciativa Nacional para a Banda Larga, falou-se que 8.300 escolas iriam ser ligadas à Internet em Banda Larga. Em Março de 2004, realizou-se mesmo uma cerimónia do concurso público internacional lançado pelo Governo de então para dar acesso à Internet de Banda Larga a 9.000 escolas do ensino básico e secundário. Na altura, esperava-se que a instalação da banda larga nas escolas de cada região seja iniciada ainda durante o primeiro semestre 2004. Dois anos e meio e três governos depois, anuncia-se que em Janeiro, estarão ligadas 100% das escolas. Estarão mesmo?

Das Estatísticas à Prática
Pessoalmente sou sempre céptico relativamente a estes anúncios. É que a mim, a prática diz-me que ter um serviço de acesso à Internet, ter um router ou um modem, e um ou mais computadores, nem sempre são sinónimo de estar efectivamente ligado à Internet. De facto, quando um município ou outra entidade qualquer "oferece" X computadores a uma escola, as estatísticas dizem-nos que mais uma escola tem computadores. Mesmo que estes estejam muito bem arrumadinhos nos caixotes em que foram entregues. Mas para as estatísticas, é mais uma. O mesmo acontece com as ligações de banda larga. À falta de um plano nacional que faça a integração das instalações dos computadores, das suas ligações em rede e da sua ligação à Internet, na realidade, na prática, quantas escolas têm DE FACTO computadores, impressoras, scanners, etc. EFECTIVAMENTE ligados e a funcionar? E quantas estarão DE FACTO, ligadas à Internet? Não sei, mas tenho fortes dúvidas que em Janeiro estejam 100% das escolas portuguesas. E este era um estudo interessante para ser desenvolvido pelo Observatório da Sociedade de Informação e do Conhecimento. Talvez então alguém percebesse que para além de haver que forneça equipamentos e ligações, tem de haver quem faça a instalação e manutenção dos mesmos e que sem uma forte interligação entre todos estes intervenientes continuaremos contentes e satisfeitos da vida porque os números das estatísticas até estão melhorzitos! Até lá, continuaremos a ter "topos de gama" encaixotados a desmentir as estatísticas.

Coordenadores TIC
Exactamente pelo que disse acima, foi com muitos bons olhos que li que um despacho publicado recentemente em Diário da República prevê a nomeação de coordenadores TIC para cada agrupamento escolar que "terá responsabilidades de supervisão na utilização dos recursos informáticos disponibilizados às escolas e na definição de planos de acção anuais". Estes coordenadores terão "como missão a promoção do uso transversal das TIC e o encaminhamento de professores com necessidades de formação para acções que suprimam" eventuais falhas e a eles caberá "analisar e propor novas iniciativas de aproveitamento dos recursos existentes". De acordo com o que li, esta medida deverá mobilizar cerca de 1400 docentes.

Quero acreditar que este será um importante passo em frente para que as escolas que tenham recursos no domínio das TIC os tenham para que os alunos possam efectivamente deles usufruir e não apenas para que fiquem bem na fotografia das estatísticas. Outro aspecto extremamente positivo deste despacho é a frase "promoção do uso transversal das TIC". Sou dos que acha que as TIC, como disciplina curricular independente, fazem pouco sentido. E cada vez farão menos, à medida que estas se forem vulgarizando. No meu ponto de vista as TIC têm de ser integradas em todas as disciplinas curriculares. As TIC fazem sentido como uma ferramenta que facilitam o acesso à informação e que facilitam a comunicação sobre as diversas matérias que fazem parte do currículo escolar. A frase "uso transversal" dá a entender que é para aí que nos encaminhamos. Talvez assim as TIC deixem de ser um domínio restrito para os informáticos para passarem a ser um domínio de todos.

Logotipo do Bits & Bytes
in Bits & Bytes Nº 116,
Suplemento de informática, jogos e multimédia
do 24 Horas e Jornal de Notícias,
06 de Janeiro de 2006



Artigos Anteriores:
> Identificação e Registo de Utilizadores
> A Internet dos Mais Novos...
> Crianças, Telemóveis e Segurança
> "Socorro, Alguém Me Traduz Isto?!"
> Outra Vez o Anonimato na Internet

Rotulado com ICRA - Internet Content Rationg Association
| Início | Recursos | Sobre | Mapa do Site |
                                                 © 2003-2006, Tito de Morais. Todos os Direitos Reservados.