Logotipo MiudosSegurosNa.Net

Minimizar Riscos, 
Maximizar Benefícios. 

Bandeira de AngolaBandeira do BrasilBandeira de Cabo VerdeBandeira da Guiné-Bissau
Bandeira de MoçambiqueBandeira de PortugalBandeira de São Tomé e PrincípeBandeira de Timor Leste
Subscreva a Newsletter
[MiudosSegurosNa.Net]

> Definir Homepage
> Adicionar a Favoritos
> Imprimir Esta Página
> Recomendar Página
> Ligue-se a Nós!
> Artigos Para o Seu Site
> Donativos

ARTIGOS DE OPINIÃO - 2005 - SETEMBRO
Internet Em Demasia? Eis o Que Fazer...
Por Tito de Morais

Esta semana, durante o período de perguntas e respostas que se segue às palestras que geralmente efectuo em escolas um pouco por todo o país, um pai colocou-me a seguinte pergunta: "O meu filho usa a Internet em demasia. O que posso fazer?". A resposta parece-me interessar cada vez mais pais...

A preocupação de pais e educadores relativamente à utilização excessiva da Internet por parte dos seus filhos e educandos é cada vez mais recorrente. Na comunicação social têm sido pontualmente referidos casos de jovens que passam mais de uma dezena de horas (por dia!) agarrados aos computadores. Um caso que me recordo, os pais de uma jovem achavam que ela despendia demasiado tempo ao computador e acordaram então um máximo de 5 horas por dia! Esta é assim uma preocupação que me tem chegado por diversas formas. Pareceu-me assim útil partilhar aqui a resposta que forneci a esse pai, aprofundando-a. Sobre este tema, recordo um artigo que escrevi em Novembro de 2003 ("Agarrados ao Écran?") e cuja leitura recomendo.

Um Ponto Prévio
Mas antes de entrar no tema, um ponto de reflexão: o que é demasiado? Geralmente a tendência é medir as coisas em função do tempo. X horas por dia, semana ou mês. Mas por aí, nem mesmo os especialistas estão de acordo. O limiar onde o uso passa a abuso varia de acordo com o especialista que se consulte e geralmente o número de horas não é tido como único indicador. Para além deste, há quanto tempo um utilizador é utilizador também entra em linha de conta. No início, é natural que se passe mais tempo ligado. É a novidade. Depois, geralmente passa. Mas nem sempre. E de uma coisa estou certo: pais e filhos terão concerteza opiniões diferentes sobre quantas horas são demasiadas horas ao computador. No entanto, será por aí inevitavelmente que a conversa terá de começar.

Soluções Parentais
Mas antes de iniciar a conversa, acho útil considerar alguns aspectos. Analisar o tempo que o jovem despende não apenas ao computador, mas noutras actividades. Ás tantas se ele ou ela passam demasiado tempo ao computador é porque não têm o seu tempo preenchido com outras actividades. A solução pode passar por aí. Por preencher o tempo com outras actividades mais sociáveis, ao ar livre, etc. No entanto, muitas vezes o problema coloca-se em horários (tipo à noite depois do jantar), em que dificilmente se pode ir para a natação, ou outra qualquer actividade fora de casa. E aí talvez seja necessária uma maior participação familiar. O hábito de se desenvolverem actividades em família tende a perder-se e às tantas o problema resolve-se com um serão de monopólio ou um qualquer outro jogo de tabuleiro, eventualmente mais educativo - tipo Scrabble - em família. Ou com a conjugação com outras actividades de lazer em família, que evitem que os pais estejam na sala a fazer zapping e os filhos no quarto online ou a jogar Playstation. A solução pode mesmo passar por mudar o computador de lugar e colocá-lo num local comum a toda a família. Sobre este assunto recomendo o artigo "Coloque o Computador Numa Zona Comum". Depois de analisada a forma como a família passa o seu tempo e como o jovem ou a jovem o ocupa, é então altura de falar no assunto. E se o tempo excessivo é para si uma preocupação, então refira-o. Como disse no início, o que para si é muito, para ele ou ela não será. Algures por aí haverá um compromisso a que terão de chegar. E se ainda não existem regras em casa sobre a utilização do computador talvez seja altura de as considerar e até eventualmente passá-las a escrito sobre a forma de um contrato familiar. Sobre estes dois assuntos, recomendo a leitura dos seguintes artigos:

Estas são apenas algumas sugestões ao nível parental, para abordar o problema. Mas para além dos pais os professores, a escola, os locais públicos que fornecem acesso gratuito à Internet também têm um papel a desempenhar. Assim, para a semana partilharei aqui outras sugestões ao nível de possíveis abordagens ao nível educacional, legal e tecnológico para tratar este assunto.



Artigos Anteriores:
> Violência, Crimes e Ilegalidades
> Dia do Software Livre
> A Segurança Internet e o Regresso às Aulas
> Conteúdos Nocivos na Internet
> Endereços Enganadores e Como as Crianças os Podem Evitar

Rotulado com ICRA - Internet Content Rationg Association
| Início | Recursos | Sobre | Mapa do Site |
                                                 © 2003-2005, Tito de Morais. Todos os Direitos Reservados.