Logotipo MiudosSegurosNa.Net

Bandeira de AngolaBandeira do BrasilBandeira de Cabo VerdeBandeira da Guiné-Bissau
Bandeira de MoçambiqueBandeira de PortugalBandeira de São Tomé e PrincípeBandeira de Timor Leste
Subscreva a Newsletter
[MiudosSegurosNa.Net]

> Definir Homepage
> Adicionar a Favoritos
> Imprimir Esta Página
> Recomendar Página
> Ligue-se a Nós!
> Artigos Para o Seu Site
> Donativos

ARTIGOS DE OPINIÃO - 2003 - JULHO
"Não Acredites em Tudo o Que Lês!"
Por Tito de Morais

Ensinamos as crianças e os jovens a usar a Internet, mas esquecemo-nos de lhes ensinar como a usar. Ensinamo-las a usar o correio electrónico, a navegar na web e, quanto muito, a pesquisar informação na Internet, mas invariavelmente esquecemo-nos de as ensinar a avaliar e interpretar o que eles descobrem na Internet.

A Internet está a revolucionar os métodos e meios de investigação utilizados por crianças e jovens nas nossas escolas e universidades. De facto, para a generalidade dos estudantes, a Internet assume-se hoje como uma das suas principais fontes de informação, senão mesmo como a principal. Todavia, apesar da Internet constituir uma poderosa ferramenta de investigação, apresenta alguns desafios para os quais é importante estarmos alerta. Estes desafios são particularmente relevantes para os estudantes. O ensino e o desenvolvimento de capacidades ao nível da análise e avaliação crítica da informação disponível na Internet assume assim uma importância cada vez mais relevante. Na escola e em casa.

A Inexistência do Holocausto?!
Um professor de História pede aos seus alunos para desenvolverem um trabalho, desafiando-os a descobrirem um tema diferente e inovador. Passados uns dias, quando questionado sobre o assunto, um dos alunos informa o professor que está a desenvolver o seu trabalho subordinando-o ao tema da inexistência do Holocausto, baseando-se para isso, numa página web da Northwestern University.

Atordoado com a situação, o professor investiga a fonte da informação. Rapidamente conclui que a página em questão, apesar de estar alojada num servidor da Northwestern University, não é uma página oficial da Universidade, mas sim uma página pessoal de um utilizador da Universidade. Aprofundando um pouco mais a questão, conclui tratar-se de uma página cujo propósito é promover a ideia de que o Holocausto foi uma fabricação. Investigando a autoria da página, o professor conclui que o autor, apesar de ser um professor da Universidade, é uma autoridade questionável. De facto, apesar do autor ser um assistente da Universidade, trata-se de um assistente de Engenharia, o que dificilmente posiciona o autor como um perito sobre assuntos relacionados com o Holocausto. No âmbito da investigação, o professor verifica que a página se encontra catalogada ou ligada a partir de dois tipos de sítios: sítios que fazem a apologia do ódio e sítios que monitorizam a existência de sítios que promovem este tipo de ideais. Ligada a partir de sítios que fazem a apologia do ideal ariano e do anti-semitismo, a página em questão é referenciada positivamente em sítios conotados com associações fascistas, racistas e outras que promovem o nacionalismo ariano. Apesar de tudo, o final desta história é um final feliz: ao jovem foi dada a possibilidade de entrevistar uma sobrevivente do Holocausto.

Análise Crítica da Informação
A Internet disponibiliza uma quantidade de informação cuja disponibilidade de uma forma tão acessível era há tempos inimaginável. A facilidade com que qualquer pessoa pode publicar e aceder à informação disponível na Internet e a importância que esta vem assumindo como ferramenta de pesquisa no ambiente escolar e universitário, aconselha alguma prudência elementar.

A Internet é um local onde podemos encontrar "provas" que "validem" praticamente tudo o que se possa imaginar. Para muitos estudantes, "se está na Internet, é porque é verdade". Como a história que contei aqui ilustra, é assim essencial desenvolvermos nas crianças e nos jovens capacidades para uma análise crítica da informação que encontram. Não só na Internet, mas sobretudo, na Internet.

Para além do ensino de métodos de pesquisa, é de vital importância o ensino de formas de validação da informação. Crianças e jovens precisam de aprender a avaliar a autenticidade, aplicabilidade, autoria, imparcialidade e usabilidade dos conteúdos Internet. De facto, o desenvolvimento deste tipo de aptidões é hoje um requisito essencial à sociedade de informação, devendo fazer parte de uma qualquer diploma de competências básicas em tecnologias de informação.

A este nível e para uma melhor compreensão desta problemática, recomendo a pais e educadores a leitura de um estudo recentemente publicado, "Of Course It's True; I Saw It on the Internet! - Critical Thinking in the Internet Era". Da leitura deste estudo, ressalta que este tipo de educação tem de começar nos níveis mais elementares de ensino e que este ensino não se pode limitar à escola. De facto, cada vez mais, as crianças começam a utilizar a Internet a partir dos níveis mais básicos de ensino e, por outro lado, parte dos trabalhos escolares é também desenvolvido a partir de casa.

Um Componente da Segurança
Por fim, o desenvolvimento destas capacidades e competências são também essenciais ao nível da segurança. A utilização do sentido crítico na utilização dos recursos Internet e não apenas na análise de conteúdos – no Chat, no Instant Messaging, no correio electrónico - podem constituir uma das melhores ferramentas de segurança para as crianças na Internet, ajudando-as a manterem-se ao largo de uma série de conteúdos potencialmente nocivos. Desta forma, estaremos a ajudar as crianças a usar a melhor ferramenta de segurança Internet alguma vez desenvolvida: as suas cabecinhas!

in Info&Net, A Capital, Lisboa, 25 de Julho de 2003



Artigos Anteriores:
> Como Tirar Partido dos Benefícios do Chat & do IM, Sem se Expor Aos Riscos?
> "Spyware": o Preço da Sua Privacidade
> Sistemas de Classificação de Jogos Vídeo e de Computador
> Nunca é Tarde Para Aprender
> Censura & Liberdade de Expressão na Internet

Rotulado com ICRA - Internet Content Rationg Association
| Início | Recursos | Sobre | Mapa do Site |
                                                 © 2003-2007, Tito de Morais. Todos os Direitos Reservados.